Independente

3 de abr de 2013

A minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e, foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão.Cecília Meireles.


Uma das minhas resoluções de ano novo era me tornar mais independente, e no quarto mês do ano eu já risquei esse item da minha lista.

Quando escrevi esse post imaginei a independência como resolver meus problemas sem ajuda de ninguém ou comprar coisas pra mim e pagar com meu próprio dinheiro, mas percebi que ser independente e bem mais do que isso.

Minha independência hoje e sair do estágio e sentar na praça de alimentação do shopping só pra tomar sorvete e ler uma revista, sem me preocupar com o que os outros pensam vendo uma menina sentada sozinha no meio de casais melosos e famílias inteiras fazendo compras.

Minha independência hoje é não me importar.

Percebi que não existe problema em pedir um conselho, desde que a decisão venha de mim. E agora ela vem. Por que sei que se precisar de ajuda tenho muitas mãos estendidas pra me ajudar, e não aquelas que vão dizer “nós te avisamos”, tenho mãos dispostas a me acolher e me ajudar no que for preciso até eu finalmente me encontrar.

No dicionário independência é liberdade. E hoje sei que nos limites da minha idade e condições financeiras, sou completamente livre pra tomar minhas próprias decisões e pedir ajuda a hora que eu quiser. E isso não quer dizer que eu vou depender de alguém ou me contradizer.

Ainda dou satisfações de onde vou para meus pais, ainda compro coisas no cartão da minha mãe e peço opinião ao namorado sobre o que seria melhor comprar agora, mas ainda sim sou eu e não apenas uma projeção dos outros. Me tornei independente pra ser o que eu sou e decidir por mim mesma.

Finalmente descobri que posso ser livre e que minha independência hoje é simplesmente ser. Essa é a minha liberdade.

0 comentários:

Postar um comentário